[Livro] A anatomia do estado

A anatomia do estado de Murray N. Rothbard

`1. Estado 2. Liberdade 3. Propaganda ideológica

  1. Consentimento 5. Poder I. Título
    CDD – 320.101S umário
    O Q ue o E stado N ão É . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
    O Q ue o E stado É . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
    C omo o E stado se E terniza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
    C omo o E stado T ranscende S eus L imites . . . . . . . . . 25
    O Q ue o E stado T eme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
    C omo os E stados se R elacionam E ntre si . . . . . . . . . 41
    A H istória C omo uma B atalha E ntre o P oder
    E statal e o P oder S ocial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47`

O Que o Estado Não É
O estado é quase universalmente considerado uma
instituição de serviço social. Alguns teóricos veneram
o estado como sendo a apoteose da sociedade; outros
consideram-no uma organização afável, embora muitas
vezes ineficiente, que tem o intuito de alcançar objeti-
vos sociais. Porém quase todos o consideram um meio
necessário para se atingir os objetivos da humanidade,
um meio a ser usado contra o “setor privado” e que fre-
quentemente ganha essa disputa pelos recursos. Com o
advento da democracia, a identificação do estado com a
sociedade foi redobrada ao ponto de ser comum ouvir a
vocalização de sentimentos que violam quase todos os
princípios da razão e do senso comum, tais como: “nós
somos o governo” ou “nós somos o estado”.
O termo coletivo útil “nós” permite lançar uma
camuflagem ideológica sobre a realidade da vida po-
lítica. Se “nós somos o estado”, então qualquer coisa
que o estado faça a um indivíduo é não somente justo
e não tirânico, como também “voluntário” da parte do
respectivo indivíduo. Se o estado incorre numa dívi-
da pública que tem de ser paga através da cobrança
de impostos sobre um grupo para benefício de outro,
a realidade deste fardo é obscurecida pela afirmação
de que “devemos a nós mesmos” (ou “a nossa dívida
tem de ser paga”); se o estado recruta um homem, ou
o põe na prisão por opinião dissidente, então ele está
“fazendo isso a si mesmo” — e, como tal, não ocorreu
nada de lamentável.
Nesta mesma linha de raciocínio, os judeus assas-
sinados pelo governo nazista não foram mortos; pelo8
Murray N. Rothbard
contrário, devem ter “cometido suicídio”, uma vez que
eles eram o governo (que foi eleito democraticamente)
e, como tal, qualquer coisa que o governo lhes tenha
feito foi voluntário da sua parte. Não seria necessário
insistir mais neste ponto; no entanto, a esmagado-
ra maioria das pessoas aceita esta ideia enganosa em
maior ou menor grau.
Devemos, portanto, enfatizar a ideia de que “nós”
não somos o estado; o governo não somos “nós”. O es-
tado não “representa” de nenhuma forma concreta a
maioria das pessoas 1 . Mas, mesmo que o fizesse, mes-
mo que 70% das pessoas decidissem assassinar os res-
tantes 30%, isso ainda assim seria um homicídio em
massa e não um suicídio voluntário por parte da mi-
noria chacinada 2 . Não se pode permitir que nenhuma
metáfora organicista, nenhuma banalidade irrelevante,
obscureça este fato essencial.
Se, então, o estado não somos “nós”, se ele não é
a “família humana” se reunindo para decidir sobre os
problemas mútuos, se ele não é uma reunião fraterna
ou clube social, o que é afinal? Em poucas palavras, o
estado é a organização social que visa a manter o monopólio
do uso da força e da violência em uma determinada área
1
Não é o objetivo deste trabalho desenvolver os inúmeros problemas e enganos
da “democracia”. É o suficiente dizer que o verdadeiro agente de um indivíduo,
ou “representante”, está sempre sujeito às ordens desse mesmo indivíduo, pode
ser demitido a qualquer momento e não pode agir em contrário aos interes-
ses ou desejos do seu chefe. Obviamente, o “representante” numa democracia
nunca poderá satisfazer estas funções de agente, as únicas conformes com uma
sociedade livre.
2
Os sociais-democratas respondem muitas vezes que a democracia — a esco-
lha majoritária dos governantes — implica logicamente que a maioria tem de
deixar determinado grau de liberdade à minoria, pois a minoria pode um dia
tornar-se a maioria. Aparte de outras falhas, este argumento obviamente não se
mantém onde a minoria não se pode tornar a maioria, por exemplo, quando a
minoria pertence a um grupo étnico ou racial diferente da maioria.O Que o Estado Não É
9
territorial; especificamente, é a única organização da so-
ciedade que obtém a sua receita não pela contribuição
voluntária ou pelo pagamento de serviços fornecidos
mas sim por meio da coerção.
Enquanto os outros indivíduos ou instituições ob-
têm o seu rendimento por meio da produção de bens e
serviços e da venda voluntária e pacífica desses bens e
serviços ao próximo, o estado obtém o seu rendimento
através do uso da coerção; isto é, pelo uso e pela ameaça
de prisão e pelo uso das armas 3 . Depois de usar a força
e a violência para obter a sua receita, o estado geral-
mente passa a regular e a ditar as outras ações dos seus
súditos. Poderíamos pensar que a simples observação
de todos os estados ao longo da história e de todo o
globo seria prova suficiente para esta afirmação; mas o
miasma do mito incrustou-se na atividade do estado há
tanto tempo, que se torna necessária uma elaboração.
Joseph A. Schumpeter, Capitalism, Socialism, and Democracy (Capitalismo, So-
cialismo e Democracia) (New York: Harper and Bros., 1942), p. 198.
A fricção e o antagonismo entre a esfera privada e a pública
foi intensificada desde o princípio pelo fato de que. o estado
tem vivido do rendimento que tem sido produzido na esfera
privada com propósitos privados e que tem que ser desviado
desses propósitos através da força política. A teoria que in-
terpreta os impostos em analogia à filiação de um clube ou à
aquisição do serviço de, digamos, um médico só prova quão
removida se encontra esta parte das ciências sociais dos hábi-
tos mentais científicos.
Ver também Murray N. Rothbard, “The Fallacy of the ‘Public Sector’”, New
Individualist Review (Summer, 1961): 3ff.
3O Q ue o E stado É
O ser humano nasce indefeso e, como tal, precisa
utilizar a sua mente para aprender a como obter os re-
cursos que a natureza lhe fornece e a como transformá-
-los (por exemplo, através do investimento em “capi-
tal”) em objeto e em locais de modo que possam ser
utilizados para a satisfação das suas necessidades e para
a melhoria do seu padrão de vida. A única forma por
meio da qual o ser humano pode fazer isto é através do
uso da sua mente e da sua energia para transformar os
recursos (“produção”) e da troca destes produtos por
produtos criados pelos outros. O ser humano desco-
briu que, por meio do processo de troca mútua e volun-
tária (comércio), a produtividade — e, logo, o padrão
de vida de todos os participantes desta troca — pode
aumentar significativamente. Portanto, o único cami-
nho “natural” para o ser humano sobreviver e alcançar
a prosperidade é utilizando sua mente e energia para
se envolver no processo de produção-e-troca. Ele rea-
liza isto, primeiro, encontrando recursos naturais, se-
gundo, transformando-os (“misturando seu trabalho a
eles”, tal como disse John Locke), fazendo deles a sua
propriedade individual, e depois trocando esta proprie-
dade pela propriedade de outros que foi obtida de for-
ma semelhante.
O caminho social ditado pelas exigências da nature-
za humana, portanto, é o caminho dos “direitos de pro-
priedade” e do “livre mercado” de doações ou trocas de
tais direitos. Ao longo deste caminho, o ser humano
aprendeu a evitar os métodos “selvagens” da luta pe-
los recursos escassos — de forma que A pudesse apenas
adquiri-los à custa de B —, e, ao invés disso, aprendeu12
Murray N. Rothbard
a multiplicar imensamente esses recursos por meio do
processo harmonioso e pacífico da produção e troca.
O grande sociólogo alemão Franz Oppenheimer
apontou para o fato de que existem duas formas mu-
tuamente exclusivas de adquirir riqueza: a primeira, a
forma referida acima, de produção e troca, ele chamou
de “meio econômico”. A outra forma é mais simples,
na medida em que não requer produtividade; é a forma
em que se confisca os bens e serviços do outro através
do uso da força e da violência. É o método do confisco
unilateral, do roubo da propriedade dos outros. A este
método Oppenheimer rotulou de “o meio político” de
aquisição de riqueza. Deve estar claro que o uso pa-
cífico da razão e da energia na produção é o caminho
“natural” para o homem: são os meios para a sua sobre-
vivência e prosperidade nesta terra. Deve estar igual-
mente claro que o meio coercivo, explorador, é contrá-
rio à lei natural; é parasítico, pois em vez de adicionar
à produção, apenas subtrai.
O “meio político” desvia a produção para um
indivíduo — ou grupo de indivíduos — parasita e
destrutivo; e este desvio não só subtrai da quanti-
dade produzida como também reduz o incentivo do
produtor para produzir além de sua própria subsis-
tência. No longo prazo, o ladrão destrói a sua pró-
pria subsistência ao diminuir ou eliminar a fonte do
seu próprio suprimento. Mas não só isso: mesmo no
curto prazo, o predador age contrariamente à sua na-
tureza como ser humano.
Estamos agora em uma posição que nos permite
responder mais satisfatoriamente à questão: o que é o
estado? O estado, nas palavras de Oppenheimer, é “a
organização dos meios políticos”; é a sistematização
do processo predatório sobre um determinado terri-O Que o Estado É
13
tório 1 . Pois o crime é, no máximo, esporádico e in-
certo; já o parasitismo é efêmero e a coerciva ligação
parasítica pode ser cortada a qualquer momento por
meio da resistência das vítimas. O estado, no entanto,
providencia um meio legal, ordeiro e sistemático para
a depredação da propriedade privada; ele torna certa,
segura e relativamente “pacífica” a vida da casta para-
sita na sociedade 2 .
Dado que a produção tem sempre de preceder qual-
quer depredação, conclui-se que o livre mercado é
anterior ao estado. O estado nunca foi criado por um
“contrato social”; ele sempre nasceu da conquista e da
exploração. O paradigma clássico é aquele de uma tri-
bo conquistadora que resolveu fazer uma pausa no seu
método — testado e aprovado pelo tempo — de pilha-
1
Franz Oppenheimer, The State (New York: Vanguard Press, 1926) p. 24-27:
Existem duas formas fundamentalmente opostas através das
quais o homem, em necessidade, é impelido a obter os meios
necessários para a satisfação dos seus desejos. São elas o tra-
balho e o furto, o próprio trabalho e a apropriação forçosa do
trabalho dos outros. Eu proponho, na discussão que se segue,
chamar ao trabalho próprio e à equivalente troca do trabalho
próprio pelo trabalho dos outros, de “meio econômico” para
a satisfação das necessidades enquanto a apropriação unila-
teral do trabalho dos outros será chamada de “meio políti-
co”. O estado é a organização dos meios políticos. Como tal,
nenhum estado pode existir enquanto os meios econômicos
não criaram um definido número de objetos para a satisfação
das necessidades, objetos que são passíveis de ser levados ou
apropriados por roubo bélico.
Albert Jay Nock escreve de forma clara que:
o estado reivindica e exercita o monopólio do crime. Ele pro-
íbe o homicídio privado mas ele mesmo organiza o assassí-
nio numa escala colossal. Ele pune o roubo privado mas ele
próprio deita as suas mãos sem escrúpulos a tudo o que ele
quer, seja propriedade dos seus cidadãos seja de estrangeiros.
Nock, On Doing the Right Thing, and Other Essays (New York: Harper and
Bros., 1929), p.143
214
Murray N. Rothbard
gem e assassinato das tribos conquistadas ao perceber
que a duração do saque seria mais longa e segura — e a
situação mais agradável — se ela permitisse que a tribo
conquistada continuasse vivendo e produzindo, com a
única condição de que os conquistadores agora assumi-
riam a condição de governantes, exigindo um tributo
anual constante 3 .
Um dos métodos de nascimento de um estado pode
ser ilustrado como se segue: nas colinas da “Ruritânia
do Sul”, um grupo de bandidos organiza-se de modo a
obter o controle físico de um determinado território.
Cumprida a missão, o chefe dos bandidos autopro-
clama-se “Rei do estado soberano e independente da
Ruritânia do Sul”. E se ele e os seus homens tiverem
a força para manter este domínio durante o tempo su-
ficiente, pasmem!, um novo estado acabou de se juntar
à “família das nações”, e aqueles que antes eram meros
líderes de bandidos acabaram se transformando na no-
breza legítima do reino.
Oppenheimer, The State, p.15:
O que é, então, o estado como conceito sociológico? O esta-
do, na sua verdadeira gênese, é uma instituição social forçada
por um grupo de homens vitoriosos sobre um grupo vencido,
com o propósito singular de domínio do grupo vencido pelo
grupo de homens que os venceram, assegurando-se contra a
revolta interna e de ataques externos. Teleologicamente, este
domínio não possuía qualquer outro propósito senão o da ex-
ploração econômica dos vencidos pelos vencedores.
E de Jouvenel escreveu: “o estado é na sua essência o resultado dos sucessos
alcançados por um grupo de bandidos que se impôs a uma sociedade gentil
e pacífica”. Bertrand de Jouvenel, On Power (New York: Viking Press, 1949)
p.100-101.
3C omo o E stado se E terniza
Uma vez estabelecido o estado, o problema do gru-
po ou “casta” dominante passa a ser o de como manter
o seu domínio 1 . Embora o seu modus operandi seja o da
força, o problema básico e de longo prazo é ideológico.
Pois para continuar no poder, qualquer governo (não
simplesmente um governo “democrático”) tem de ter
o apoio da maioria dos seus súditos. E esse apoio, vale
observar, não precisa ser um entusiasmo ativo; pode
bem ser uma resignação passiva, como se se tratasse de
uma lei inevitável da natureza. Mas tem de haver apoio
no sentido de algum tipo de aceitação; caso contrário,
a minoria formada pelos governantes estatais seria em
última instância sobrepujada pela resistência ativa da
maioria do público.
Uma vez que a depredação tem necessariamente de
ser mantida por um excedente da produção, é um fato
necessariamente verdadeiro que a classe que constitui o
estado — a burocracia estabelecida (e a nobreza) — tem
de ser uma pequena fração minoritária no território,
embora possa, claro, comprar aliados entre os grupos
importantes da população. Como tal, a principal tarefa
dos governantes é sempre a de assegurar a aceitação ati-
va ou resignada da maioria dos cidadãos 2 , 3 .
1
A respeito da distinção crucial entre “casta”, um grupo com privilégios ou
opressões transmitidos coercivamente ou impostas pelo estado, e o conceito
Marxista de “classe” na sociedade, ver Ludwig von Mises, Theory and History
(New Haven, Connecticut: Yale University Press, 1957), p. 112ff.
2
É claro que tal aceitação não implica que o domínio do estado tenha se tornado
“voluntário”; pois mesmo que a maioria o apoie de forma ávida e ativa, esse
apoio não é unânime.
3
Que todo governo, independentemente do grau de imposição “ditatorial”, tem16
Murray N. Rothbard
Claro que um dos métodos para assegurar o apoio é
por meio da criação de interesses econômicos legalmen-
te garantidos. Como tal, o rei sozinho não pode gover-
nar; ele precisa de um grupo considerável de seguidores
que desfrutem os privilégios do domínio, por exemplo,
os membros do aparato estatal, como a burocracia em
tempo integral ou a nobreza estabelecida 4 . Mas ainda
assim isto assegura apenas uma minoria de apoiadores
fervorosos, e até a compra essencial de apoio por meio
de subsídios e outras concessões de privilégios não é
suficiente para obter o consentimento da maioria. Para
produzir esta aceitação crucial, a maioria tem de ser per-
suadida por uma ideologia de que o seu governo é bom,
sábio e, pelo menos, inevitável e certamente melhor do
que outras possíveis alternativas. A promoção desta ide-
ologia entre o povo é a tarefa social vital dos “intelectu-
ais”. Pois as massas não criam as suas próprias ideias,
ou sequer pensam de maneira independente sobre estas
ideias; elas seguem passivamente as ideias adotadas e
disseminadas pelo grupo de intelectuais. Os intelectu-
ais são, por isso, os “formadores de opinião” da socie-
dade. E dado que é precisamente de uma modelagem
da opinião aquilo de que o estado desesperadamente
que assegurar tal apoio tem sido demonstrado por profundos teóricos políticos
tais como Étienne de la Boétie, David Hume, e Ludwig von Mises. Cf. David
Hume, “Of the First Principles of Government”, in Essays, Literary, Moral and Po-
litical (London: Ward, Locke, and Taylor, n.d.), p. 23; Étienne de la Boétie, Anti-
-Dictator (New York: Columbia University Press, 1942), p. 8-9; Ludwig von Mises,
Human Action (Auburn, Alabama: Mises Institute, 1998), p. 188ff. Para mais acerca
da contribuição para a análise do estado por la Boétie, ver Oscar Jaszi e John D.
Lewis, Against the Tyrant (Glencoe, Illinois: The Free Press, 1957), p. 55-57.
4
La Boétie, Anti-Dictator, p. 43-44.
Sempre que um governante se faz ditador. todos aqueles que
se deixam corromper pela ambição desmedida ou por uma
avareza extraordinária, reúnem-se em torno dele e apoiam-
-no para que possam ficar com uma porção do espólio e para
se instalarem como pequenos chefes abaixo do grande tirano.Como o Estado se Eterniza
17
precisa, a razão da milenar aliança entre o estado e os
intelectuais torna-se clara.
É evidente que o estado precisa de intelectuais; mas
não é algo tão evidente por que os intelectuais precisam
do estado. Posto de forma simples, podemos afirmar que
o sustento do intelectual no livre mercado nunca é algo
garantido, pois o intelectual tem de depender dos valores
e das escolhas das massas dos seus concidadãos, e é uma
característica indelével das massas o fato de serem geral-
mente desinteressadas de assuntos intelectuais. O estado,
por outro lado, está disposto a oferecer aos intelectuais um
nicho seguro e permanente no seio do aparato estatal; e,
consequentemente, um rendimento certo e um arsenal de
prestígios. E os intelectuais serão generosamente recom-
pensados pela importante função que executam para os go-
vernantes do estado, grupo ao qual eles agora pertencem 5 .
A aliança entre o estado e os intelectuais ficou sim-
bolizada, no século XIX, no desejo ardente dos profes-
sores da Universidade de Berlim em formar o “apoio
intelectual da Casa de Hohenzollern”. Já no século XX,
podemos observar o comentário revelador feito por um
eminente acadêmico marxista sobre o estudo crítico
do antigo despotismo Oriental realizado pelo Profes-
sor Wittfogel: “A civilização que o Professor Wittfogel
ataca tão veemente foi uma civilização que colocou
poetas e eruditos no funcionalismo público” 6 . Dentre
5
Isto de maneira nenhuma implica que todos os intelectuais se aliam ao estado.
Acerca dos aspectos da aliança entre intelectuais e o estado, ver Bertrand de Jou-
venel, “The Attitude of the Intellectuals to the Market Society”, The Owl (Janeiro,
1951): 19-27; idem, “The Treatment of Capitalism by Continental Intellectuals,” in
F.A. Hayek, ed., Capitalism and the Historians (Chicago: University of Chicago
Press, 1954), p. 93-123; reimpresso em George B. de Huszar, The Intellectuals
(Glencoe, Illinois: The Free Press, 1960), p. 385-99; e Schumpeter, Imperialism
and Social Classes (New York: Meridian Books, 1975), p. 143-55.
6
Joseph Needham, “Revisão de Karl A. Wittfogel, Despotismo Oriental”, Science18
Murray N. Rothbard
inúmeros exemplos, podemos citar o desenvolvimento
recente da “ciência” da estratégia a serviço do principal
braço governamental no uso da violência, o aparelho
militar 7 . Outra venerável instituição é a do historiador
oficial — ou o historiador “da corte” —, dedicada a di-
fundir a visão dos governantes acerca das suas ações e
das dos seus predecessores 8 .
Muitos e variados têm sido os argumentos por meio
dos quais o estado e seus intelectuais têm induzido os
seus súditos a apoiar o seu domínio. As linhas de argu-
mento podem ser basicamente resumidas desta forma:
(a) os governantes estatais são homens sábios e gran-
diosos (governam por “decreto divino”, são a “aris-
tocracia” dos homens, são “cientistas especialistas”),
and Society (1958): 65. Needham também escreve que “os sucessivos imperadores
[Chineses] foram servidos em todas as épocas por uma grande companhia de eruditos
profundamente humanos e desinteressados”, p.61. Wittfogel nota que, na doutrina
Confucionista, a glória da classe governante repousa nos seus oficiais erudito-
-burocratas cavalheirescos, destinados a serem governantes profissionais que
ditam para a grande massa da população. Karl A. Wittfogel, Oriental Despotism
(New Haven, Conn.: Yale University Press, 1957), p. 320-21 e passim.
Para uma atitude que contrasta com a de Needham, ver John Lukacs, “Intel-
lectual Class or Intellectual Profession?” in de Huszar, The Intellectuals, p. 521-22.
7
Jeanne Ribs, “The War Plotters,” Liberation (August, 1961): 13, “os estrategis-
tas insistem que a sua ocupação merece a ‘dignidade da contraparte acadêmica
da profissão militar’”. Ver também Marcus Raskin, “The Megadeath Intellectu-
als”, New York Review of Books (November 14, 1963): 6-7.
8
Por isso o historiador Conyers Read, no seu discurso presidencial, argumen-
tou a favor da supressão de fatos históricos como sendo um serviço aos valores
“democráticos” e nacionais. Read proclamou que “a guerra total, seja quente ou
fria, alista toda a gente e apela a que todos cumpram o seu papel. O historiador não é
mais livre desta obrigação do que o físico”. Read, “The Social Responsibilities of the
Historian,” American Historical Review (1951): 283ff. Para uma crítica de Read e
outros aspectos de historia oficial, ver Howard K. Beale, “The Professional His-
torian: His Theory and Practice,” The Pacific Historical Review (August, 1953):
227-55. Também cf. Herbert Butterfield, “Official History: Its Pitfalls and Cri-
teria,” History and Human Relations (New York: Macmillan, 1952), p. 182-224; e
Harry Elmer Barnes, The Court Historians Versus Revisionism (n.d.), p. 2ff.Como o Estado se Eterniza
19
muito melhores e mais sábios do que os seus bons,
porém simplórios, súditos, e (b) a subjugação pelo go-
verno é inevitável, absolutamente necessária e de longe
melhor do que os males indescritíveis que sucederiam
à sua queda. A união entre Igreja e estado foi um dos
mais bem sucedidos e mais antigos destes mecanismos
ideológicos. O governante ou era ungido por Deus ou
era ele mesmo, no caso do domínio absoluto de muitos
déspotas Orientais, o próprio Deus; como tal, qualquer
resistência ao seu domínio seria blasfêmia. Os sacerdo-
tes do estado cumpriam a função intelectual básica de
obter o apoio popular e até a adoração aos governantes 9 .
Outro mecanismo bem sucedido foi o de instaurar o
medo acerca de quaisquer sistemas alternativos de go-
verno ou não governo. Os governantes atuais, alegava-
-se, fornecem aos cidadãos um serviço essencial pelo qual
devem estar muito gratos: a proteção contra criminosos
e saqueadores esporádicos. Pois para o estado preservar
seu próprio monopólio predatório, ele realmente deve ga-
rantir que o crime privado e não sistemático seja mantido
num grau mínimo; o estado sempre zelou ciosamente pela
sua própria preservação. Nos séculos mais recentes, o es-
tado tem sido especialmente bem sucedido em fomentar
o medo acerca de outros governantes estatais. Dado que a
área territorial do globo tem sido parcelada entre estados
específicos, uma das doutrinas essenciais do estado foi a
de se identificar com o território que domina.
Uma vez que a maioria das pessoas tende a amar a
sua terra natal, a identificação dessa terra e do seu povo
com o estado foi um meio de usar o patriotismo natural
9
Cf. Wittfogel, Oriental Despotism, p87-100. Acerca dos papéis contrastantes da
religião vis-à-vis o estado na China antiga e Japão, ver Norman Jacobs, The Ori-
gin of Modern Capitalism and Eastern Asia (Hong Kong: Hong Kong University
Press, 1958), p. 161-94.20
Murray N. Rothbard
para benefício do próprio estado. Se a “Ruritânia” es-
tivesse sendo atacada pela “Uldávia”, a primeira função
do estado e dos seus intelectuais seria convencer as pes-
soas da Ruritânia que o ataque era dirigido a eles e não
apenas à casta dominante. Desta forma, uma guerra
entre governantes seria transformada numa guerra entre
povos, em que a massa dos indivíduos agiria em defesa
dos seus governantes sob a falsa crença de que os go-
vernantes estariam agindo em defesa de seus indivídu-
os. Este apelo ao “nacionalismo” tem sido útil, no Oci-
dente, apenas em séculos mais recentes; não há muito
tempo, a massa de súditos olhava para as guerras como
batalhas irrelevantes entre diversos grupos de nobres.
São muitas e sutis as armas ideológicas que o es-
tado tem manejado através dos séculos. Uma destas
excelentes armas tem sido a tradição. Quanto mais
tempo o domínio de um estado tem se mantido pre-
servado, mais poderosa é esta arma; pois desta forma
a Dinastia X ou o estado Y mantém o aparente peso
da tradição dos séculos como sustento para sua própria
existência 10 . A adoração aos antepassados passa então a
ser uma forma não muito sutil de adoração aos antigos
governantes. O maior perigo para o estado é a críti-
ca intelectual independente; não há melhor forma de
abafar essa crítica do que atacar qualquer voz isolada,
10
De Jouvenel, On Power, p. 22:
A razão essencial para a obediência é que esta se tornou um
hábito da espécie. O poder é para nós um fato da natureza.
Desde os primórdios da história que sempre presidiu aos
destinos humanos. as autoridades que dominavam [as socie-
dades] em tempos anteriores não desapareciam sem deixar o
legado de privilégio aos seus sucessores nem sem deixar na
mente dos homens impressões que são cumulativas no seu
efeito. A sucessão de governos que, num curso de séculos,
dominou a mesma sociedade pode ser vista como um único
governo subjacente em contínuo crescente.Como o Estado se Eterniza
21
qualquer um que levante novas dúvidas, como sendo
um profano violador da sabedoria dos seus ancestrais.
Outra potente força ideológica é desaprovar e re-
baixar o indivíduo e exaltar a coletividade da socieda-
de. Pois uma vez que qualquer tipo de domínio impli-
ca uma aceitação da maioria, qualquer perigo ideológi-
co para o domínio pode começar apenas a partir de um
ou de poucos indivíduos que demonstrem ter pensa-
mento independente. A ideia nova, e principalmente
a ideia nova e crítica, só pode ter início como uma pe-
quena opinião minoritária; como tal, o estado tem de
cortar a ideia pela raiz, ridicularizando qualquer ponto
de vista que desafie a opinião das massas. “Dê ouvido
apenas aos seus irmãos” ou “Aja conforme a sociedade”
tornam-se assim as armas para esmagar a dissensão in-
dividual 11 . Através destes meios, as massas nunca vão
descobrir o rei está nu 12 .
É também muito importante que o estado faça pa-
recer que o seu domínio é inevitável; mesmo que o seu
reinado seja detestado, ele será assim visto com resig-
nação passiva, tal como atesta o dito sobre a “inevita-
bilidade da morte e dos impostos”. Um método é o da
indução do determinismo historiográfico, em oposição
Acerca da utilização da religião na China para tais efeitos, ver Norman Jacobs,
passim.
11
H.L. Mencken, A Mencken Chrestomathy (New York: Knopf, 1949), p. 145:
Tudo o que o governo consegue ver numa ideia original é
o potencial para a mudança, e dessa forma uma invasão das
suas prerrogativas. O homem mais perigoso, para qualquer
governo, é o homem que é capaz de pensar por si mesmo
acerca dos assuntos, sem ter em conta as superstições e os
tabus prevalecentes. Quase inevitavelmente, ele chega à con-
clusão que o governo sob o qual vive é desonesto, louco e in-
tolerável, e por isso, se for um aventuroso, ele tenta mudá-lo.
E mesmo que ele próprio não seja aventuroso, ele é muito ca-
paz de espalhar o descontentamento entre aqueles que o são.
1222
Murray N. Rothbard
ao livre arbítrio individual. Se a Dinastia X nos governa
é porque as Inexoráveis Leis da História (ou a Vontade
Divina, ou o Absoluto, ou as Forças Materiais Produ-
tivas) assim determinaram, e nada que uns indivíduos
insignificantes possam fazer será capaz de alterar este
decreto inevitável. É também importante para o estado
inculcar nos seus súditos uma aversão a qualquer “teoria
da conspiração da história”, pois uma busca por conspi-
rações significa uma busca por motivos e uma atribuição
de responsabilidade por delitos históricos. Se, contudo,
qualquer tirania imposta pelo estado, ou corrupção, ou
agressão militar, foi causada não pelos governantes es-
tatais, mas sim por “forças sociais” misteriosas e ocul-
tas, ou pelo arranjo imperfeito do mundo, ou, se de
alguma forma, todos foram responsáveis, então não há
qualquer razão para as pessoas ficarem indignadas ou se
insurgirem contra tais delitos. Ademais, um ataque às
“teorias da conspiração” tem como objetivo fazer com
que os súditos se tornem mais crédulos em relação às
razões de “bem-estar geral” que são sempre apresenta-
das pelo estado como justificativa para os seus atos des-
póticos. Uma “teoria da conspiração” pode perturbar o
sistema ao fazer com que o público desconfie da propa-
ganda ideológica do estado.
Outro velho e eficaz método para curvar os súditos
à vontade do estado é a indução da culpa. Qualquer
aumento do bem-estar privado pode ser atacado como
“ganância inaceitável”, “materialismo” ou “riqueza
excessiva”; o lucro pode ser atacado como “explora-
ção” e “agiotagem”; as trocas mutuamente benéficas
são denunciadas como “egoístas”, chegando-se sem-
pre, de alguma forma, à conclusão de que mais recur-
sos devem ser retirados do setor privado e desviados
para o “setor público”. A culpa induzida torna o pú-
blico mais suscetível a aceitar esta transferência. Pois
ao passo que indivíduos tendem a se entregar à “co-Como o Estado se Eterniza
23
biça egoísta”, a incapacidade dos governantes estatais
em realizar trocas voluntárias supostamente significa
a sua devoção a causas mais nobres e elevadas — a
depredação parasítica seria assim uma atitude aparen-
temente mais elevada, estética e moralmente, do que
o trabalho pacífico e produtivo.
Na nossa atual e mais secular época, o direito divi-
no do estado foi suplantado pela invocação de um novo
Deus, a Ciência. O governo estatal é agora proclamado
como ultracientífico, como constituído por um painel
de especialistas. Mas mesmo com a “razão” sendo mais
invocada hoje do que em séculos passados, essa não é a
verdadeira razão do indivíduo e do exercício do seu livre
arbítrio; é ainda a razão coletivista e determinista, que
implica sempre agregados holísticos e a manipulação co-
erciva de súditos passivos feita pelos seus governantes.
O aumento do uso de jargões científicos permitiu
aos intelectuais do estado tecer justificativas obscuran-
tistas para o domínio estatal as quais teriam sido ime-
diatamente recebidas com zombaria e escárnio pela po-
pulação de uma época mais simples. Um assaltante que
justificasse o seu roubo dizendo que na verdade ajudou
as suas vítimas, pois o gasto que fez do dinheiro trou-
xe um estímulo ao comércio, teria convencido pouca
gente; mas quando esta teoria se veste com equações
keynesianas e referências impressivas ao “efeito mul-
tiplicador”, ela infelizmente é recebida com maior res-
peito. E assim prossegue o ataque ao bom senso, em
cada época realizado de maneira diferente.
Por conseguinte, sendo o apoio ideológico indis-
pensável para a manutenção do estado, este é incessan-
temente obrigado a impressionar o público com a sua
“legitimidade” de forma a distinguir suas atividades da-
quelas praticadas por uma mera quadrilha de mafiosos.24
Murray N. Rothbard
A ininterrupta determinação dos seus ataques ao
senso comum não é acidental, pois, como afirmou vi-
vidamente Mencken:
O homem comum, quaisquer que sejam as
suas falhas, pelo menos vê claramente que
o governo é algo que existe à parte de si e
à parte da maioria dos seus concidadãos
— que o governo é um poder separado, in-
dependente e hostil, apenas parcialmente
sob o seu controle e capaz de prejudicá-lo
seriamente. Não é por acaso que roubar o
governo é visto em geral como um crime
de menor magnitude do que roubar um in-
divíduo, ou até mesmo uma empresa .. O
que está por trás desta visão, creio eu, é a
profunda noção de que há um antagonismo
fundamental entre o governo e as pessoas
que ele governa. O governo é tido não como
um comitê de cidadãos eleitos para resolver
os problemas comuns de toda população,
mas sim como uma corporação autônoma e
separada, dedicada principalmente à explo-
ração da população para benefício dos seus
próprios membros .. Quando um cidadão é
roubado, uma pessoa digna foi privada dos
frutos do seu esforço e poupança; quando
o governo é roubado, o pior que acontece
é que uns patifes ociosos ficam com me-
nos dinheiro para brincar do que tinham
antes. A noção de que mereceram ganhar
esse dinheiro não passa pela cabeça de nin-
guém; afina, para qualquer pessoa sensata,
esta ideia é ridícula. 13
13
Ibid., p. 146-47.C omo o E stado
T ranscende S eus L imites
Como Bertrand de Jouvenel sabiamente salientou,
ao longo dos séculos os homens foram formando con-
ceitos com o intuito de refrear e limitar o domínio esta-
tal; e o estado, recorrendo aos seus aliados intelectuais,
tem se mostrado capaz de transformar, um a um, todos
estes conceitos em carimbos de legitimidade e virtude,
anexando-os aos seus decretos e ações. Originalmente,
na Europa Ocidental, o conceito de soberania divina
afirmava que os reis podiam governar apenas de acor-
do com a lei divina; os reis, entretanto, perverteram
esse conceito e o transformaram em um carimbo de
aprovação divina para qualquer ato real. O conceito de
democracia parlamentar começou como uma restrição
popular ao domínio monárquico absoluto e terminou
com o parlamento não apenas se tornando parte essen-
cial do estado, como também a manifestação da plena
soberania deste. Tal como de Jouvenel conclui:
Muitos escritores interessados nas teorias
da soberania se debruçaram sobre estes
mecanismos restritivos. Mas, por fim,
cada uma destas teorias perdeu, mais cedo
ou mais tarde, o seu propósito original e
acabou por funcionar como um trampo-
lim para o Poder, provendo-lhe a ajuda
poderosa de um soberano invisível com o
qual ele podia, com o passar do tempo, se
identificar por completo. 1
1
De Jouvenel, On Power, p. 27ff.26
Murray N. Rothbard
O mesmo aconteceu com doutrinas mais específi-
cas: os “direitos naturais” do indivíduo, consagrados
por John Locke e pela Carta dos Direitos (Bill of Rights),
converteram-se no estatista “direito a um emprego”; o
utilitarismo abandonou seus argumentos em prol da
liberdade e passou a se concentrar em argumentos con-
tra a resistência aos ataques do estado à liberdade etc.
É certo que a mais ambiciosa tentativa de impor li-
mites ao estado foi a Carta dos Direitos e outras partes
restritivas da Constituição Americana, na qual foram
escritos limites explícitos ao governo os quais deveriam
servir como lei fundamental a ser interpretada por um
sistema judicial supostamente independente dos outros
ramos do governo. Todos os americanos estão cientes
do processo ao longo do qual esta construção de limites
presentes na Constituição foi sendo alargada de modo
inexorável durante o século passado. Mas poucos fo-
ram tão perspicazes como o Professor Charles Black
em notar que, neste processo, o estado transformou a
própria revisão judicial, a qual, de um mecanismo li-
mitador, passou a ser cada vez mais um instrumento
que provê legitimidade ideológica às ações do governo.
Pois se um decreto judicial de “inconstitucionalidade”
é um poderoso entrave ao poder do governo, um vere-
dicto implícito ou explícito de “constitucionalidade” é
uma arma poderosa para promover a aceitação pública
de um crescente poder governamental.
O Professor Black começa a sua análise indican-
do a necessidade crucial da “legitimidade” para que
qualquer governo sobreviva, sendo que esta legitimi-
dade corresponde a uma aceitação majoritária básica
do governo e de suas ações 2 . A aceitação da legitimi-
2
Charles L. Black. Jr., The People and the Court (New York: Macmillan, 1960),
p. 35ff.Como o Estado Transcende Seus Limites
27
dade torna-se um problema peculiar em um país como
os Estados Unidos, em foram colocadas “limitações
substanciais na teoria sobre a qual o governo se ba-
seia”. O que é preciso, acrescenta Black, é um meio
pelo qual o governo possa assegurar ao público que a
expansão dos seus poderes é, de fato, “constitucional”.
E isto, conclui, tem sido a principal função histórica
da revisão judicial.
Deixemos Black ilustrar o problema:
A ameaça suprema [para o governo] é a
ampla disseminação de um sentimento de
ultraje e desafeição entre a população, e a
consequente perda de autoridade moral
por parte do governo, independentemente
de quanto tempo ele consiga mantê-la pela
força ou pela inércia ou pela simples falta
de uma alternativa atraente e imediata-
mente disponível. Quase todas as pessoas
que vivem sob um governo com poderes
limitados serão, cedo ou tarde, sujeitados
a alguma ação governamental que, em sua
opinião, consideram estar além do poder
do governo ou mesmo totalmente proibida
ao governo. Um homem pode ser conscrito
embora não encontre nada na Constituição
autorizando o recrutamento para o serviço
militar obrigatório .... A um agricultor é
dito o quanto ele pode produzir de trigo;
ele acredita, e descobre que alguns advoga-
dos respeitáveis partilham desta crença de
que o governo tem o direito tanto de lhe
dizer o quanto de trigo ele pode produzir
como de lhe dizer com quem é que a sua
filha se pode casar. Um homem vai para a
cadeia por dizer o que quer e entra em sua28
Murray N. Rothbard
cela proferindo .... “o Congresso não passa-
rá quaisquer leis que limitem a liberdade
de expressão” .... A um comerciante é dito
o quanto pode cobrar, e quanto tem de co-
brar, por leite desnatado.
Existe uma ameaça real que cada uma destas
pessoas (e quem não se encontra entre elas?)
chegue a um momento em que irá confron-
tar o conceito de limite do poder governa-
mental com a realidade (tal como a vê) da
flagrante transgressão dos limites efetivos, e
que tire a conclusão óbvia acerca do status
do governo em relação à legitimidade. 3
Esta ameaça é afastada pelo estado por meio da pro-
paganda doutrinal de que uma agência terá de ter a de-
cisão final no que diz respeito à constitucionalidade, e
que esta agência, em última análise, terá de fazer parte
do estado. 4 Pois, embora a aparente independência do
poder judicial tenha desempenhado um papel vital em
fazer com que as suas ações pareçam sagradas para o
grosso da população, é também — e cada vez mais —
verdade que o poder judicial é uma parte essencial do
aparato governamental e é designado pelos ramos le-
gislativo e executivo. Black admite que isto significa
3 Ibid., p. 42-43.
4 Ibid., p. 52:
A mais nobre e necessária função da Suprema Corte tem sido
a de validação, não de invalidação. O que um governo com
poderes limitados precisa, no início e sempre, é algum meio
que convença as pessoas que tenha feito tudo o que é huma-
namente possível para se manter dentro dos seus limites.
Esta é a condição para a sua legitimidade, e a sua legitimida-
de, a longo prazo, é a condição para a sua sobrevivência. E o
Tribunal, através da sua história, tem sido o que dá legitimi-
dade ao governo.Como o Estado Transcende Seus Limites
29
que o estado se colocou no papel de juiz de sua própria
causa, violando assim o princípio jurídico básico de se
procurar chegar a decisões justas. Ele nega perempto-
riamente a possibilidade de qualquer alternativa. 5
Black acrescenta:
O problema, então, é criar meios de de-
cisão governamental que possam [espe-
ramos] reduzir a um mínimo tolerável a
intensidade da objeção ao governo ser juiz
de sua própria causa. Tendo feito isto, po-
demos apenas ter a esperança de que esta
objeção, embora ainda teoricamente sustentá-
vel, perca força efetiva até o ponto em que
o trabalho de legitimação das instituições
de decisão possa ganhar aceitação. 6
Em sua última análise, Black considera que, dado o
fato de que o estado perpetuamente julga em sua pró-
pria defesa, ele conseguir desta forma chegar a decisões
justas e legítimas seria “algo milagroso”. 7
5
Embora completamente paradoxal, para Black esta solução é alegre e despre-
ocupadamente evidente:
O poder final do estado. deve parar onde a lei pára. E quem
fixará o limite, e quem aplicará uma trava, face ao poder mais
possante? Ora, o próprio estado, claro, através dos seus juízes
e das suas leis. Quem é que controla o moderado? Quem é
que ensina o sábio? (Ibid., p. 32-33)
E ainda:
Quando as questões dizem respeito ao poder governamental
numa nação soberana, não é possível selecionar um árbitro
que esteja fora do governo. Qualquer governo nacional, en-
quanto for um governo, tem que ter a palavra última acerca
do seu próprio poder. (Ibid., p. 48-49)
6
Ibid., p.49.
A atribuição do milagroso ao governo é reminiscente da justificação do gover-
no de James Burnham através do misticismo e da irracionalidade:
730
Murray N. Rothbard
Aplicando a sua tese ao famoso conflito entre a Corte
Suprema e o New Deal, o Professor Black repreende de
forma ríspida os seus companheiros pró-New Deal, pela
sua falta de visão, que denunciaram a obstrução judicial:
A versão padrão da história entre o New
Deal e a Suprema Corte, embora de certa
maneira acurada, enfatiza a questão errada
.... Concentra-se nas dificuldades e quase
se esquece do resultado que acabou por ser
produzido. A consequência desta história
foi que [e isto é o que eu gosto de enfati-
zar], após cerca de vinte meses a opor-se
.... a Suprema Corte, sem uma única alte-
ração na lei de sua autoria, ou sequer em
seus membros, colocou o selo afirmativo
de legitimidade no New Deal, chancelan-
do uma concepção completamente nova
de governo nos EUA. 8
Desta forma, a Suprema Corte foi capaz de silenciar
a grande massa de americanos que vinha demonstran-
do fortes objeções constitucionais ao New Deal:
Claro que nem todos ficaram satisfeitos.
O mito do laissez-faire constitucionalmen-
Em tempos antigos, antes das ilusões da ciência terem corrom-
pido a sabedoria tradicional, os fundadores de cidades eram
tidos como deuses ou semideuses. Nem a raiz nem a justifi-
cação para o governo podem ser postas em termos totalmente
racionais. porque é que eu devo aceitar a hereditariedade ou
a democracia ou qualquer outro princípio de legitimidade?
Porque é que um princípio pode justificar o domínio desse ho-
mem sobre mim? . Eu aceito o princípio porque. bem, porque
sim, porque é assim que é e que tem sido.
James Burnham, Congress and the American Tradition (Chicago: Regnery, 1959), p.
3-8. Mas e se uma pessoa não aceitar o princípio? Qual será “o caminho”, então?
8
Black, The People and the Court, p. 64.Como o Estado Transcende Seus Limites
31
te ordenado ainda acalenta o coração de
alguns sonhadores na terra da irrealidade
raivosa. Mas já não há qualquer dúvida no
público, perigosa ou significativa, quanto
ao poder constitucional do Congresso para
lidar como lida com a economia nacional....
Não havia qualquer outro meio, senão a
Suprema Corte, para conceder legitimida-
de ao New Deal. 9
Como Black reconhece, um dos maiores teóricos
políticos que constatou — e muito antes que outros —
a brecha flagrante em fazer com que um limite consti-
tucional ao governo esteja sob o poder de interpretação
final da Suprema Corte foi John C. Calhoun. Calhoun
não se contentou com o “milagre”, e prosseguiu com
uma profunda análise do problema constitucional. No
seu trabalho intitulado Disquisition, Calhoun demons-
trou a tendência inerente do estado a ultrapassar os li-
mites de uma constituição:
Uma constituição escrita certamente pos-
sui muitas vantagens importantes, mas é
um erro crasso supor que a mera inserção
de provisões para restringir e limitar o po-
der do governo, sem dotar aqueles para quem
as provisões são inseridas com os meios para
impor o seu cumprimento, [itálicos meus]
será suficiente para prevenir que os par-
tidos maiores e dominantes abusem dos
seus poderes. Uma vez na posse do go-
verno, os partidos, pela mesma natureza
humana que justifica a necessidade de um
governo para proteger a sociedade, serão
9
Ibid., p. 65.32
Murray N. Rothbard
a favor dos poderes concedidos pela cons-
tituição e opor-se às restrições que visam
limitá-los. ... Os partidos mais fracos ou
minoritários, pelo contrário, irão tomar
a posição oposta e considerá-las [as res-
trições] como essenciais para a proteção
contra a atuação do partido dominante. ...
Mas visto não haver meios pelos quais eles
possam levar o partido maior a obedecer às
restrições, o único recurso que sobra será
o de manter uma interpretação estrita da
constituição. ... A isto o partido dominan-
te irá opor-se com uma visão permissiva
da constituição. ... Será um jogo de inter-
pretação contra interpretação — uma para
contrair e a outra para alargar ao máximo
o domínio do governo. Mas qual o bene-
fício da visão rigorosa do partido mino-
ritário face à visão permissiva do partido
majoritário quando este tem todo o poder
do governo para colocar em prática a sua
visão ao passo que o primeiro se encontra
privado de qualquer meio para concretizar
a sua visão? Em uma disputa tão desigual,
o resultado não será difícil de prever. O
partido a favor das restrições será derrota-
do. ... O final da disputa será a subversão
da constituição. ... as restrições serão por
fim anuladas e o governo será convertido
em um governo com poderes ilimitados. 10
Um dos poucos cientistas políticos que valorizou a
análise de Calhoun foi o Professor J. Allen Smith. Smi-
John C. Calhoun, A Disquisition on Government (New York: Liberal Arts Press,
1953), p. 25-27. Também cf. Murray N. Rothbard, “Conservatism and Freedom: A
Libertarian Comment”, Modern Age (Spring, 1961): 219.
10Como o Estado Transcende Seus Limites
33
th notou que a Constituição foi concebida com um sis-
tema de pesos e contrapesos para limitar qualquer po-
der governamental; contudo, foi criada uma Suprema
Corte com o monopólio sobre o poder final de inter-
pretação. Se o Governo Federal foi criado para limitar
as invasões da liberdade individual por parte de cada
estado, quem é que limita o poder Federal? Smith sus-
tenta que, implícita na ideia de um sistema de pesos e
contrapesos da Constituição, está a concomitante visão
de que não se pode conceder a nenhum ramo do go-
verno o poder final de interpretação: “O povo assumiu
que ao novo governo não seria permitido determinar os
limites da sua própria autoridade, uma vez que isto tor-
naria o próprio governo, e não Constituição, supremo. 11
A solução proposta por Calhoun (e apoiada, no sé-
culo XX, por escritores como Smith) foi, claro, a famo-
sa doutrina da “maioria concomitante”. Se qualquer
interesse minoritário substancial, especificamente um
governo estadual, acreditasse que o Governo Fede-
ral estivesse excedendo seus poderes e sobrepondo-se
a esta minoria, a minoria teria o direito de veto deste
exercício de poder baseando-se na sua inconstitucio-
nalidade. Aplicado aos governos estaduais, esta teoria
implicava o direito à “anulação” da lei ou decisão fe-
deral dentro da jurisdição de um determinado estado.
J. Allen Smith, The Growth and Decadence of Constitutional Government (New
York: Henry Holt, 1930), p. 88. Smith acrescenta:
Era óbvio que uma provisão na Constituição, embora dese-
nhada para limitar os poderes de um órgão governamental,
pudesse ser efetivamente anulada caso a sua interpretação e
aplicação fossem deixadas às autoridades que ela visava deter.
O senso comum exigia, claramente, que nenhum órgão do go-
verno pudesse ser capaz de determinar o seu próprio poder.
Fica claro que o senso comum dita uma visão muito diferente da de “milagres”
no que tange ao governo. (p. 87)
1134
Murray N. Rothbard
Teoricamente, o sistema constitucional resultante
assegurava que o governo federal colocasse entraves a
qualquer invasão dos estados aos direitos individuais,
ao passo que os estados restringiriam o poder federal
excessivo sobre o indivíduo. No entanto, embora as
limitações fossem naquela época mais eficazes do que
são atualmente, há muitas dificuldades e problemas na
solução de Calhoun. Se, de fato, um interesse subordi-
nado deve legitimamente ter o poder de veto sobre um
assunto que lhe diz respeito, por que parar nos estados?
Por que não colocar o poder de veto nos municípios,
nas cidades, nos bairros? Além do mais, os interesses
não são apenas regionais, mas também profissionais,
sociais etc. E quanto aos padeiros ou os taxistas ou
qualquer outra profissão? Não deveriam eles poder ve-
tar qualquer legislação que afete suas próprias vidas?
Isto nos leva a um ponto crucial: a teoria da anula-
ção confina suas restrições às próprias agências do go-
verno. Não esqueçamos que os governos federal e es-
taduais, e os seus respectivos ramos, são ainda estados,
e, como tal, são ainda guiados pelo seu interesse estatal
próprio e não pelos interesses dos cidadãos civis. O que
impede que o sistema de Calhoun funcione de forma
contrária, com os estados tiranizando os seus cidadãos
e vetando o governo federal sempre que este tente in-
tervir no sentido de restringir essa tirania? Ou de os
estados estaduais se alinharem à tirania federal? O que
impede os governos estaduais e o governo federal de
formarem alianças mutuamente lucrativas para explo-
rarem em conjunto os cidadãos? E mesmo que as as-
sociações profissionais privadas ganhassem algum tipo
de representação “funcional” no governo, o que impe-
diria que elas utilizassem o estado para obter subsídios
e outros privilégios para si mesmas ou para se imporem
compulsivamente aos seus próprios membros?Como o Estado Transcende Seus Limites
35
Em resumo, Calhoun não leva a sua inovadora teoria
da concordância suficientemente longe: ele não a leva
até ao próprio indivíduo. Se, afinal, são os direitos do
indivíduo que devem ser protegidos, então uma teoria
da concordância implicaria que o poder de veto perten-
cesse a cada indivíduo; ou seja, uma forma de “princí-
pio da unanimidade”. Quando Calhoun escreveu que
seria “impossível instituir ou manter [um governo] sem
o consentimento de todos”, ele estava implicitamente,
ainda que não intencionalmente, sugerindo justamente
esta conclusão. 12 Mas tal especulação começa a nos levar
para longe do assunto em questão, pois indo por este ca-
minho encontramos sistemas políticos que dificilmente
poderiam ser chamados “estatais”. 13 Para começar, as-
sim como o direito de anulação de um estado implica
logicamente o seu direito à secessão, também o direito
de anulação individual implicaria o direito de qualquer
indivíduo se “separar” do estado sob o qual vive. 14
Portanto, o estado tem invariavelmente demonstra-
do um talento exímio para a expansão dos seus pode-
res para além de quaisquer limites que possam lhe ser
impostos. Uma vez que o estado sobrevive necessaria-
mente do confisco compulsório do capital privado, e
uma vez que a sua expansão envolve necessariamente
uma incursão cada vez maior sobre indivíduos e em-
presas privadas, é imperativo afirmar que o estado é
uma instituição profunda e inerentemente anticapita-
lista. Em certo sentido, a nossa posição é o inverso da
Calhoun, A Disquisition on Government, p. 20-21.
12
Recentemente, o princípio da unanimidade tem sido restaurado de forma al-
tamente diluída, particularmente nos escritos do Professor James Buchanan.
Cf. James Buchanan and Gordon Tullock, The Calculus of Consent (Ann Arbor:
University of Michigan Press, 1962), passim.
13
14
Cf. Herbert Spencer, “The Right to Ignore the State”, in Social Statics (New
York: D. Appleton, 1890), p. 229-39.36
Murray N. Rothbard
máxima marxista que diz que o estado é atualmente o
“comitê executivo” da classe dominante, supostamente
os capitalistas. Ao contrário, o estado — a organização
dos meios políticos — é constituído pela — e é a fonte
da — “classe dominante” (ou melhor, casta dominante)
e está em permanente oposição ao capital genuinamente
privado. Podemos, portanto, concordar com Jouvenel:
Apenas aqueles que nada sabem sobre
outras épocas senão a sua, que estão com-
pletamente às escuras quanto ao modo de
funcionamento do Poder desde há mi-
lhares de anos, verão estes procedimen-
tos [estatização, imposto de renda etc.]
como o fruto de um conjunto particular
de doutrinas. Estas são, na realidade, as
manifestações normais do Poder, e em
nada diferem na sua natureza em relação
aos confiscos dos mosteiros realizados por
Henrique VIII. É o mesmo princípio em
operação; o apetite por autoridade, a sede
por recursos; e em todas estas operações
estão presentes as mesmas características,
inclusive o rápido crescimento daqueles
que dividem os espólios. Seja Socialista
ou não, o Poder tem sempre de estar em
guerra com as autoridades capitalistas e
despojar os capitalistas da sua riqueza acu-
mulada; ao fazê-lo, obedece às leis da sua
própria natureza. 15
15
De Jouvenel, On Power, p. 171.O Q ue o E stado T eme
O que o estado teme acima de tudo, claro, é qual-
quer ameaça fundamental ao seu próprio poder e à
sua existência. A morte do estado pode ocorrer de
duas formas: (a) por meio da sua conquista por outro
estado, ou (b) por meio de um golpe revolucionário
feito pelos seus próprios súditos — ou seja, por meio
da guerra ou da revolução. Guerra e revolução, sen-
do as duas ameaças essenciais, invariavelmente sus-
citam nos governantes estatais esforços máximos e a
máxima propaganda possível direcionada à popula-
ção. Como dito anteriormente, qualquer meio deve
sempre ser utilizado para mobilizar as pessoas a de-
fender o estado na crença de que estão defendendo a
si mesmas. A fraude subjacente a esta ideia torna-se
evidente quando o recrutamento compulsório é utili-
zado contra aqueles que se recusam a “defender-se”
e que são, como tal, forçados a juntar-se ao aparato
militar do estado: desnecessário dizer que não lhes é
permitida qualquer “defesa” contra este ato cometido
pelo “seu próprio” estado.
Em uma guerra, o poder do estado é levado ao ex-
tremo, e sob os slogans da “defesa” e da “emergência”,
ele pode impor uma tirania ao público que, em tempos
de paz, enfrentaria franca e aberta resistência. Desta
forma, a guerra provê muitos benefícios a um estado
e, de fato, todas as guerras modernas trouxeram aos
povos envolvidos um permanente legado de maiores
encargos estatais sobre a sociedade. A guerra, além
disso, provê ao estado oportunidades tentadoras de
conquistar territórios sobre os quais pode exercer o
seu monopólio da força. Definitivamente, Randolph38
Murray N. Rothbard
Bourne estava correto quando disse que “a guerra é
a saúde do estado”; porém, para qualquer estado em
particular, uma guerra pode significar tanto sua saúde
quanto estragos irreparáveis. 1
Podemos colocar à prova a hipótese de que o esta-
do está majoritariamente interessado em proteger a si
mesmo, e não os seus súditos, levantando a seguinte
questão: qual a categoria de crimes que o estado per-
segue e pune mais intensamente — aqueles cometi-
dos contra os cidadãos ou aqueles cometidos contra
ele próprio? No vocabulário do estado, os crimes mais
graves são quase invariavelmente não-agressões con-
tra indivíduos ou contra a propriedade privada, mas
sim ataques contra o próprio bem-estar do estado: por
exemplo, traição, deserção de um soldado para o lado
inimigo, fugir do alistamento militar compulsório,
subversão e conspiração subversiva, assassinato de go-
vernantes, e crimes econômicos contra o estado, como
falsificação da sua moeda ou evasão fiscal.
Ou compare a intensidade dedicada à perseguição
de um homem que tenha atacado um policial com a
atenção que o estado concede ao ataque a um cidadão
comum. Curiosamente, no entanto, esta explícita
prioridade do estado à sua própria contra o público
não parece suscitar nas pessoas nenhum sentimento
1
Vimos que o apoio por parte dos intelectuais é fundamental ao estado, e isto
inclui o apoio contra as suas duas ameaças essenciais. Assim, acerca do papel
dos intelectuais americanos no envolvimento dos Estados Unidos na Primeira
Guerra Mundial, ver Randolph Bourne, “The War and the Intellectuals,” em
The History of a Literary Radical and Other Papers (New York: S.A.

Minha assinatura que deve ficar nas mensangens